Image and video hosting by TinyPic

ATENÇÃO!

Este Site não visa fins lucrativos nem tem como objetivo reproduzir as obras.Nosso único objetivo é divulgar o trabalho dos cantores e fazer com que você avalie o arquivo antes de adquiri-lo.Se você gostou deste cd, procure uma revendedora mais próxima de sua casa e COMPRE Original, não incentive e nem faça pirataria, jamais compre arquivo PIRATA.OBS: Srºs Cantores se algo contigo neste site lhe causa algum dano ou prejuizo nos comunique para que possamos retirá-lo imediatamente de nosso site. O Portal Visão News gospel, Nao Se Responsabiliza Pelos Links Aqui expostos!

IMAGENS


A maioria das fotos deste blog foi retirada do Google Imagens.

REPRODUÇÃO DE TEXTOS

A cópia integral ou em parte de textos deste blog é livre, desde que seja dado o crédito com link para cá. O FairShare rastreia todas as reproduções.

* Não nos responsabilizamos pelo mal uso do conteúdo encontrado no Site e também por qualquer dano ou prejuízo causado por algo postado aqui.

* Os donos, webmasters e qualquer outra pessoa que tenha relacionamento com a produção do site não tem responsabilidade alguma sobre os arquivos que o usuário venha a baixar e para que ira utilizá-los.

Cunha programa "pauta-bomba" de R$ 207,1 bilhões



Marcelo Camargo/Agência Brasil


Eduardo Cunha: pelos cálculos do governo, caso o texto seja aprovado, o impacto será de R$ 15 bilhões em 2017 e de R$ 207,1 bilhões até 2022
Daniel Carvalho, do Estadão Conteúdo


Brasília - Uma semana após ser derrotado pelo Planalto na escolha do líder de seu partido, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), começa nesta quarta-feira, 24, sua retaliação ao governo.

O peemedebista programou para esta quarta a votação de uma "pauta-bomba" com impacto de R$ 207,1 bilhões e já começou a escalar seus aliados que baterão chapa com os indicados por Leonardo Picciani (RJ), reeleito líder do PMDB na semana passada, contra sua vontade.

Atualmente, a União é obrigada a destinar um mínimo de 15% da Receita Corrente Líquida (RCL) à Saúde.

Pela proposta original da chamada "PEC da Saúde", apresentada pelo deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP), o governo teria que ampliar este porcentual para 18,7% em cinco anos.

Na comissão especial que analisou a matéria, a deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), relatora do substitutivo que será apreciado, ampliou o porcentual para 19,4% em seis anos.

Pelos cálculos do governo, caso o texto seja aprovado, o impacto será de R$ 15 bilhões em 2017 e de R$ 207,1 bilhões até 2022.

A proposta foi apresentada no início de fevereiro do ano passado, mas foi desengavetada somente agora como forma de constranger o governo e, principalmente, o ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB-PI), que irritou Cunha ao se licenciar do cargo para votar Picciani na disputa pela liderança do partido.

O governo tem lutado justamente na direção oposta à do texto, no sentido de ampliar o porcentual da Desvinculação de Receitas da União (DRU).

Na manhã desta terça, no Palácio do Planalto, o ministro Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo) e o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), mobilizaram a base aliada do governo para não deixar que se aprove a PEC.

"Não é possível, em um momento como esse, quando todo mundo tenta votar a DRU, a gente ampliar a vinculação de receitas", disse Guimarães.

"Todos queremos investir mais em Saúde, mas a vinculação constitucional maior, na situação atual, pode ter efeito contrário", disse Rogério Rosso (PSD-DF), um dos líderes presentes na reunião.

Disputa

Em outra frente, Cunha já começou a listar aliados para enfrentar os escolhidos de Leonardo Picciani para comandar as principais comissões da Câmara.

Os nomes ainda estão sendo debatidos. A discussão mais avançada é em relação à poderosa Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), responsável por votar a constitucionalidade das propostas que tramitam na Câmara e por ser a principal instância recursal da Casa em polêmicas que envolvem, por exemplo, o Conselho de Ética.

Enquanto Picciani quer emplacar Rodrigo Machado (PMDB-MG) para a presidência da CCJ, aliados de Cunha dizem que ele deve indicar Osmar Serraglio (PMDB-PR). Os nomes para disputar o comando de outras comissões devem começar a ser definidos somente após o fim da disputa pela liderança do PP, previsto para a tarde desta quarta.

Eduardo Cunha diz que nada está definido e que não sabe sequer quando as comissões terão início.

Por isso, nega já estar tratando do assunto. O peemedebista havia condicionado o início do trabalho das comissões à resposta do Supremo Tribunal Federal (STF) a embargos de declaração apresentados por ele no início do ano.

Na próxima semana, no entanto, ele discutirá com os líderes de todos os partidos que procedimento será adotado.
Fonte-EXAME

Comentários












By Scraps Gospel ®

assine o feed

siga no Twitter

Postagens

acompanhe

Comentários

comente também





Botão Bíblia 1

Postagens mais visitadas deste blog

Certificado de Batismo para download

Péricles ex-exaltasamba aceita Jesus e agora se torna um cristão.

Bíblia + HC Para DataShow – PowerPoint